Category Archives: Dicas

A união faz a Força: O Poder do Co-Branding

Vamos Responder

O que é co-branding?
Como o co-branding pode ajudar no seu negócio?
Como encontrar uma marca parceira?

Mercados competitivos às vezes podem parecer selvagens, com as marcas disputando alucinadamente por oportunidades de negócios e clientes.

Sim, a competição é acirrada, mas não é raro vermos marcas trabalhando em parceria. Isso é o que chamamos de co-branding.
Há diferentes maneiras de se fazer um co-branding, mas vamos nos concentrar nas duas mais comuns ok.

Juntas, as marcas podem criar novos produtos e serviços que unam as características mais populares de cada uma delas. Ou podem vender seus produtos que já existem como um pacote.

Provavelmente você já viu um co-branding, pode até ser que você consuma produtos oferecidos em co-branding regularmente. Vamos dar uma olhada em alguns exemplos.

Isto é co-branding?

Se você respondeu que sim, para as três imagens acertou.

Pois, a Coca-Cola e OPI / Surf e Fofo / Biscouto Bauducco e Ovomaltine mostram como o co-branding pode criar novos produtos e serviços interessantes que beneficiem ambas as marcas.

Co-branding não se trata apenas de criar um novo produto ou serviço incrível. Na verdade, é uma maneira estratégica e inteligente de alcançar suas metas de negócios.

Ao fazer uma parceria com uma marca que oferece produtos diferentes dos seus, você consegue impactar os fãs e clientes dela – em outras palavras, um mercado completamente novo ao qual você normalmente não seria exposto.

E toda vez que pessoas fora do seu público alvo notam sua marca, a visibilidade dela aumenta consideravelmente.

O co-branding também pode ajudá-lo a descobrir novas fontes de receita e aumentar as vendas em alguma área mais fraca (sazonalidade, localização, demografia e etc.)

Fique Atento

Co-branding não é apenas para grandes marcas como demonstramos. Podemos dar um exemplo: de uma cafeteria pode fazer parcerias com torrefadores que tenham valores similares aos de sua marca e usar o produto deles. Assim a cafeteria consegue atrair os fãs do torrefador e o café do torrefador é apresentado aos clientes da cafeteria.

Planejando

Para começar a planejar um co-branding, você deve analisar quais marcas seriam boas parceiras para você.

Procure por marcas que tenham os mesmo valores que a sua e que atraiam um público similar ao seu. Fazer parceria com um concorrente direto não seria uma boa ideia, por isso, considere seus concorrentes indiretos.

Uma vez escolhido o parceiro para o co-branding, é hora de analisar as ofertas e objetivos de ambos os negócios e verificar se eles estão alinhados.

Observe os produtos ou serviços pelos quais as marcas são conhecidas. Quais são seus principais benefícios e diferenciais. Como cada um de seus produtos ou serviços se complementam?

Os produtos não precisam se complementar fisicamente como a Coca-Cola e esmalte OPI, mas a união deles agregou valor para seus clientes mútuos. Neste caso, as duas marcas juntaram-se para oferecer “Coca-Cola by OPI“, uma linha de 9 esmaltes de unhas inspiradas por algumas das bebidas mais populares da Coca-Cola, incluindo Diet Coke, Coca-Cola, Cherry e Coca-baquetas, Sprite, Fanta e o clássico Coca-Cola vermelha. Algumas cores são inspiradas nas cores das bebidas, enquanto outros foram inspirados pela embalagem. A ideia por trás dessa estratégia de co-branding é ilustrar o fato de que ambas as marcas entregam a felicidade em uma garrafa, seja um gole refrescante de Coca ou unhas perfeitamente polidas com laca de unha OPI. Eles também visam os consumidores à procura de produtos icônicos e de qualidade.

Questão

Considere também a missão principal da sua marca. O que a outra marca agrega ao seu produto ou serviço para ajudá-lo a chegar mais perto deste objetivo?

Bem, vocês têm produtos complementares, estão de acordo sobre seus objetivos e valores…agora que tipo de produto vocês querem criar juntos?

Decida se vocês querem criar um produto completamente novo, combinar diferentes produtos em um ou oferecer diversos produtos em uma embalagem promocional.

Uma vez decido o produto que vocês querem criar em co-branding e iniciado o seu desenvolvimento, certifique-se de que ele se mantenha fiel a sua marca.

Fique atento aos interesses da sua marca

O parceiro pode ofuscá-la? Seu negócio pode ser prejudicado por clientes com experiências ruins com o parceiro?

Por fim, saiba que combinar sua marca com a outra pode ser delicado. A identidade visual, voz e linguagem do produto fruto da parceria devem ser desenvolvidos em conjunto e ficar confortáveis para ambos.

Vamos fazer agora

Talvez você ainda não tenha decido o produto que quer promover ou escolhido um parceiro, mas que tal a CG Click criar uma lista de tarefas para você se preparar para sua futura campanha de co-branding?

1. Definir um público, local ou época do ano onde eu preciso aumentar as vendas.
2. Fazer uma lista com os maiores benefícios e diferenciais do meu produto/serviço principal.
3. Definir um público, local ou época do ano onde eu preciso aumentar as vendas.
4. Verificar se os consumidores frequentemente usam algum outro produto serviço em conjunto com o meu.
5. Colocar no papel a missão ou foco primário da minha marca.
6. Definir os valores da minha marca e criar um guia de identidade visual.
7. Definir meu público alvo.
8. Analisar marcas que não sejam minhas concorrentes mas que tenham o mesmo público alvo que o meu.
9. Analisar meus concorrentes indiretos com público alvo similar ao meu.

Depois de concluir todos os itens da lista e identificar um potencial parceiro, você pode começar a desenvolver sua proposta de co-branding.

E é isso pessoal, se você gostou da dica não esqueça de deixar o seu comentário logo abaixo e também de compartilhar para que mais pessoas possam aprender.

Por que um Email Corporativo é Bom Para Sua Empresa?

Vamos Responder

Qual a diferença entre um e-mail corporativo e um pessoal?

Por que eu deveria ter um e-mail corporativo?

Como eu obtenho um e-mail corporativo?

Imagine que você possui uma casa que está com a pintura antiga. Você estava querendo pintá-la você mesmo, mas finalmente admite que precisa contratar alguém para fazer isso para você.

Você vai até a loja de equipamentos local e publica um anúncio de “Deseja-se pintor de casa” no quadro de avisos coletivo. No dia seguinte, verifica seu e-mail e vê que já tem duas respostas para seu anúncio.

A primeira coisa que você nota é o endereço de e-mail dos candidatos.

Um parece mais confiável que o outro, então você só responde para esse endereço.

Qual e-mail parece mais confiável e profissional?

jose007@mail.com
antonio@antoniopintor.com

Resultado:

O endereço de e-mail de Antônio parece de uma empresa real. Enquanto, o de Diego parece ser seu e-mail pessoal, o que pode levantar dúvidas sobre seu profissionalismo.

Um e-mail corporativo é aquele dedicado exclusivamente à comunicação comercial e termina em um domínio da empresa (@antoniopintor.com).

Ter um e-mail empresarial parece um pequeno detalhe, mas pode ser no seu negócio. Por exemplo, ajuda a impulsionar a credibilidade da sua empresa fazendo suas comunicações por e-mail parecerem profissionais e legítimas.

Um e-mail corporativo também torna os e-mails da sua empresa mais consistentes. Quando cada um de seus funcionários usa o mesmo domínio da empresa em seus endereços de e-mail, fica claro que vocês estão todos em um único time.

A conexão entre seu e-mail corporativo e o domínio do seu site pode aumentar o reconhecimento de sua marca também. Toda vez que você e os membros de sua equipe enviarem e-mails para alguém, seu endereço os lembrará da empresa que vocês representam.

Você não precisa ser uma companhia com vários funcionários para ter um e-mail corporativo. É fácil e acessível para empresas de todos os tamanhos.

Mesmo que você seja o único funcionário da sua empresa, pode criar vários endereços de e-mail que vão lidar com diferentes comunicações comerciais:

contato@antoniopintor.com,
vendas@antoniopintor.com,
clientes@antoniopintor.com.

Como conseguir o e-mail com domínio próprio?

A atribuição de domínios é organizada centralmente. Cada domínio de nível superior é gerenciado por um centro de informações de rede, também conhecido como um registro de nomes de domínio.

Empresas privadas, como provedores de serviços de internet, permitem que o registro de domínio ocorra separadamente ou combinado com outros serviços, como hospedagem de e-mail. Para os clientes, o processo de pedidos é realizado em três etapas:

Passo 1: Escolha o fornecedor

Um domínio geralmente pode ser registrado por meio de vários provedores de serviços. Os critérios de seleção importantes para hospedagem de e-mail com um domínio pessoal é o número de caixas de entrada disponíveis, o tamanho de armazenamento de uma caixa de entrada e a disponibilidade de métodos de transmissão relevantes, como POP3 e IMAP.

Passo 2: Verifique o domínio do e-mail

Depois de encontrar uma empresa de hospedagem de e-mail adequado, você deve verificar a disponibilidade do seu domínio desejado. Os registradores credenciados têm bases de pesquisa de domínio gratuitas.

O provedor procura o registro adequado para o domínio desejado, o que leva apenas alguns segundos. Observe que um domínio de e-mail deve sempre consistir em um domínio de nível superior e um nome de subdomínio (domínio de segundo nível).

Passo 3: Registre seu domínio de e-mail pessoal

Se um domínio disponível foi encontrado, o processo de pedidos agora pode começar. É interessante para as empresas registrar o domínio de segundo nível desejado com diferentes extensões para aumentar a visibilidade da rede e proteger o nome da empresa do domínio.

Criar um e-mail com domínio próprio pode ser feito completamente online e de maneira simples: é preciso preencher o formulário de inscrição. Seu nome, endereço e endereço de e-mail são os únicos detalhes necessários. Não esqueça os detalhes do seu banco para completar o processo de pedido.

Outra Dica:

Bem fácil de obter um endereço de e-mail é através do Google G Suite. Basta acessar google.com/gsuite para começar.

Primeiro, assegure-se de que você tem um nome de domínio empresarial (ou seja o endereço para seu site). Se você não tem um domínio registrado, pode conseguir um enquanto organiza sua conta no G Suite.

Então, preencha suas informações: seu e-mail, o nome da sua empresa, número de funcionários e em que país você está sediado. Feito isso, o G Suite assume daqui.

Sim, obter um endereço de e-mail corporativo é simples. Mas existem alguns passos que você pode seguir para tornar o processo ainda mais fácil. Vamos criar uma lista de tarefas para ajudá-lo.

Lista do que fazer para o e-mail corporativo:

  • Pensar em nomes de domínio baseados no nome da minha empresa
  • Conferir a disponibilidade do nome de domínio escolhido
  • Escolher e registrar meu nome de domínio
  • Decidir se eu quero diferentes endereços de e-mail corporativos para comunicações diferentes (contato@, vendas@ etc.)
  • Visitar google.com/gsuite ou empresas que forneçam o serviço para configurar meu endereço
  • Notificar atuais clientes sobre meu nome e-mail corporativo.
  • Configurar encaminhamento automático no meu antigo endereço de e-mail.

Depois que você configurou seu e-mail corporativo, lembres-se que você sempre pode acessar a conta para adicionar ou deletar endereços de e-mail conforme sua empresa cresce e transforma-se.

Escolhendo seu Domínio e o Serviço de Hospedagem para seu Site

Vamos Responder

Como escolho um nome para meu domínio e um serviço de hospedagem para meu site?
O que é hospedagem de site?

Quais são os três tipos principais de hospedagem de site?

Imagine que um colecionador chamado Mário Tenha uma loja chamada Antiguidades do Mário.
Há anos, Mário vende móveis antigos e colecionáveis em sua loja, mas agora está tentando criar uma presença on-line também.

Acontece que ele nunca criou um site e não tem a menor ideia de por onde começar.

Vamos ajudar o Mário a escolher um domínio que combine com seu negócio e atraia potenciais clientes?

Qual domínio o Mário deve escolher?

  1. comprecomomario.com.br
  2. antiguidadesdomario.com.br
  3. belasvelharias.net

Resposta:

O melhor domínio para Mário é antiguidadesdomario.com.br porque descreve o negócio e é mais fácil de pesquisar e encontrar on-line.

Comprecommario.com.br não tem a palavra antiguidades, por isso fica genérico demais.

Belasvelharias.net também não é bom porque não traz o nome da loja ou alguma palavra-chave relacionada a ela.

Pense seu domínio como o letreiro da sua loja física.

O domínio ideal descreve precisamente o seu negócio para que os consumidores possam encontrá-lo facilmente. É importante mantê-lo relativamente curto, simples e fácil de soletrar. Tente evitar o uso de hífens e números que possam confundir as pessoas.

Usar uma palavra-chave no seu domínio é sempre uma boa pedida. Por exemplo: se Mário incluir a palavra “antiguidades”, isso torna seu site mais fácil de ser encontrado por pessoas que estejam pesquisando on-line por antiguidades, mesmo que nunca tenham ouvido falar de Mário.

Registrar um domínio

Para registrar um domínio, entre em um site como o Registro.br e confira os nomes disponíveis.

A maioria dos domínios são bem baratos (muitos podem ser comprados por menos de R$ 40,00), mas você tem que lembrar de renová-lo todo ano. Muitos sites oferecem descontos se você registrar por muitos anos ou assinar com renovação automática.

Se der, registre o seu domínio com a extensão “.com.br” pois ela é a mais reconhecida no Brasil. Você também pode usar “.com” ou “.net“. Se seu negócio for sem fins lucrativos, “.org.br” é uma boa escolha, e se for relacionado à educação, você pode usar “.edu.br“.

Assim que você escolher seu domínio, contrate um serviço de hospedagem para que seu site tenha onde operar.

Empresas como Locaweb, Wix, Blogger, Shopify, Squarespace e entre outras oferecem serviços de hospedagem. Elas fornecem espaço em um servidor para armazenar as imagens, textos e dados do site e torná-ls acessíveis às pessoas na internet.

Existem três tipos principais de hospedagem de site:

Hospedagem compartilhada, servidor privado virtual (VPS) e hospedagem dedicada. Sua escolha vai depender do tráfego que você imagina que vai gerar e do volume de dados que você precisa armazenar.

Hospedagem  compartilhada

É quando a informação de seu site é armazenada num servidor que também hospeda informações de outros sites.

A hospedagem compartilhada pode ser mais barata e é ideal para sites de pequenos negócios que não têm necessidade técnicas especiais.

A desvantagem da hospedagem compartilhada é que seu site pode ficar lento se um dos sites  com o qual você compartilha espaço no servidor tiver um tráfego muito grande.

O VPS oferece mais velocidade e capacidade de processamento do que a compartilhada. Você ainda compartilha espaço no servidor com outros sites, mas não tem que dividir recursos como espaço de armazenamento e memória. Ou seja, seu site pode aguentar um volume de tráfego maior.

Na hospedagem dedicada, você não compartilha espaço no servidor com mais ninguém. É uma opção mais cara, porém mais confiável. É interessante para sites que lidam com muito tráfego ou que precisam de recursos especais e segurança extra para seus dados.

Seja qual for o tipo de hospedagem e provedor que você escolher, verifique se eles oferecem recursos especiais que seu site possa precisar e suporte em caso de problemas.

Suporte 24/7 pode ser um recurso valioso. Se você tiver problemas, vai querer poder entrar em contato com seu serviço de hospedagem imediatamente.

Se você vende on-line, é essencial que seu provedor ofereça proteção ao comércio eletrônico. Verifique se ele disponibiliza o protocolo SSL – que criptografa as informações financeiras de seus clientes tornando as transações mais seguras.

Os serviços de hospedagem quase sempre oferecem uma ferramenta de criação de sites integrada. Se você não tiver verba para contratar um desenvolvedor, esta pode ser uma boa maneira de colocar um site profissional no ar sem pagar por um projeto personalizado.

Você também deve checar o uptime do servidor, em outras palavras, a percentagem de tempo que os sites rodam nele sem interrupção. Use serviços como o MyHostingUptime para checar taxas de uptime de potenciais serviços de hospedagem. Uma dica: elas devem se de, no mínimo, 99,999%.

Vamos fazer agora

Agora que você já entendeu as necessidades do seu site, que tal a gente descobrir o tipo de hospedagem que faz mais sentido para a sua empresa?